sábado, 30 de julho de 2011

COIMBRA 1111

Assistimos à estreia de Coimbra 1111.
Aqui vos deixamos as fotos da estreia desta nova produção do Teatrão 2011

Espectáculo integrado nas comemorações dos 900 anos do Foral de Coimbra.


Open publication - Free publishing - More cultura

A NÃO PERDER!!!!!!!!
Novamente em cena em finais de Agosto e no início de Setembro.

.

Trabalhos de Oficina de Teatro 8ºano turma B








Trabalhos de Oficina de Teatro 8ºano turma C












terça-feira, 4 de janeiro de 2011

No próximo dia 24 de Janeiro vamos ao Teatro!

Na próxima segunda-feira, dia 24 de Janeiro, pelas 10 horas da manhã, as turmas do oitavo ano irão até à Oficina Municipal do Teatro assistir à peça Noite de Reis, pela companhia de teatro "O Teatrão", 

Aqui fica o post retirado do blog do Teatrão do passado dia 30 de Novembro.
A não perder!
O preço para os nossos alunos, já com transporte incluído será de 4 euros.

Os Reis Mandam

Os reis mandam

Como fazer para que um enredo escrito para ser representado na noite de reis de mil quinhentos e troca-o-passo faça sentido feito em português, hoje, aqui e agora? Este foi o ponto de partida para a nossa versão de Noite de Reis – ou o que quiserem. A peça trata de pessoas que querem ser outras pessoas, mudar de vida, mudar de papel. Estes actores experimentam todos os papéis, todas as personagens, tudo ao mesmo tempo. Imagine um bando que em vez de brincar ao Rei-Manda, brinca aos Reis-Mandam.

NOITE DE REIS | a partir da obra de William Shakespeare | encenação de Marco Antonio Rodrigues
Sala Grande | 9 de Dezembro a 29 de Janeiro | Seg. a Qua. 10h30 e 15h00 | Qui. a Sáb. 21h30

«O enredo de Noite de Reis é mesmo muito intrincado e ao mesmo tempo muito simples. Não dá para resumi-lo em duas ou três frases. Mas a cena é comum ao nosso imaginário: uma ilha paradisíaca, uma pequena corte, um romance assimétrico entre nobres, um naufrágio, irmãos gémeos, tios bêbados, empregados espertos, administradores duvidosos. Uma náufraga de origem nobre que se transveste como homem para metamorfosear-se em serva do duque que governa a ilha. Pronto.» - Marco Antonio Rodrigues

Bilhetes: € 10 (normal), € 5 (estudante e M65) e € 4 (grupo 10+ pessoas)

sexta-feira, 30 de julho de 2010

O nosso amigo António deixou-nos!



O nosso destino, apesar de seguir diferentes rotas e caminhos, será sempre igual, abrirá sempre esta última e derradeira porta!
Adeus António, merecias passar muitos mais dias a festejar a alegria de estarmos juntos.
Ficámos muito mais pobres sem te ter perto de nós.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009


"Dom Quixote (de Coimbra)" estreia na OMT

Encheu-se-lhe a imaginação de tudo o que lia nos livros, não só de encantamentos como contendas, batalhas, desafios, feridas, galanteios, amores, adversidades e disparates impossíveis... 

Miguel de Cervantes, in "O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de La Mancha"

O Teatrão tem o prazer de anunciar a estreia da sua 44ª produção, Dom Quixote (de Coimbra), feito a partir da obra de Cervante e com excertos das versões de António José da Silva, Monteiro Lobato, Yevgeni Scvarts e Orson Welles.


Diz-nos Jorge Louraço Figueira, responsável pela dramaturgia deste espectáculo: No outro dia, saindo do ensaio, perdi-me nos acessos à auto-estrada, e quando dei por mim estava em São João do Campo, parado a ver um rebanho de cabras atravessar a linha ferroviária antes da passagem do Intercidades. Momentos antes, relendo a obra de Cervantes, diria que pastores, moinhos e azenhas eram coisa seiscentista. Mas não. Afinal eram do século XXI. E foi isso que quisemos sublinhar. Apelidámos esta versão como sendo "de Coimbra", entre parêntesis, porque a personagem principal oscila entre o lugar imaginário de La Mancha e os lugares do Mondego, desde a Serra da Estrela, até à Figueira, passando pela Lusa Atenas, e entre os séculos XVI e XXI. O nosso modelo de Dom Quixote talvez seja mais essa personagem despassarada, com o casaco vestido do avesso, que alguns dizem que era Zeca Afonso, habitando uma Coimbra lunática, do que um velho fidalgo manchego (ainda que de possível origem portuguesa). Dizia Zeca Afonso: "Havia um cartaz da Queima das Fitas que representava um grupo de estudantes a atravessar o espaço, numa réstia de luar, até chegar à Lua dançando de braço dado. Era um bocado essa loucura [...]. Imaginava uma Coimbra além das suas reais dimensões." Se há lugar onde isso é possível, é na Oficina Municipal de Teatro, onde as coisas se transformam perante os nossos olhos.
Procurámos o Quixote que nos fosse mais próximo, e por isso acabámos por fazer uma versão para dois actores e duas actrizes, com um cenário de refugo, um pouco à imagem do que é O Teatrão hoje, pegando nas limalhas, nas sobras, nos restos, para fazer alguma coisa que se veja. Com tanta reciclagem à mistura, parace uma versão ecológica das aventuras de Dom Quixote e do seu fiel escudeiro Sancho Pança, mas não é. A razão pela qual enchemos o cenário de entulho é porque ele representa o uso, a velhice, o desperdício e nos obriga a agir para fazer o novo, o vigoroso, o futuro, a partir do que temos.

Ficha técnica e artística:
Dramaturgia: Jorge Louraço Figueira / Encenação: Isabel Craveiro /Elenco: Inês Mourão, João Castro Gomes, Luís Campos Eiras e Margarida Sousa / Música Original: Afonso Rodrigues e Filipe da Costa / Apoio ao Movimento: Leonor Barata / Desenho de Luz: Jonathan de Azevedo /Dispositico Cénico e Figurinos: Helena Guerreiro / Adereços, Construção e Montagem do Cenário: José Baltazar / Vídeo: Alexandre Mestre /Sonoplastia: Rui Capitão / Fotografia: Paulo Abrantes / Grafismo: Sofia Frazão / Costureira: Fernanda Tomás / Produção Executiva: Isabel Craveiro, Inês Mourão, Leonor Barata e Margarida Sousa / Equipa técnica: Alexandre Mestre, João Castro Gomes, Jonathan de Azevedo e Rui Capitão / Contactos com as escolas: Nuno Carvalho / Produção: O TEATRÃO 2009.

Temporada em Coimbra: 19 de Novembro de 2009 a 09 de Janeiro de 2010
Sessões para público escolar: de Segunda a Sexta às 10h30 e às 14h30
Público em geral: Sextas e Sábados às 21h30

Preço dos bilhetes: entre os € 4 e os € 10

domingo, 13 de setembro de 2009

Boas vindas aos alunos de Teatro da escola. Um óptimo ano lectivo!


Que o ano lectivo possa vir a correr a todos os alunos com a maior das felicidades.

Viva o Teatro!

JS